7 de fev de 2013

Dicas de leitura da Carol # 5 - Sangue Quente

Capa do Livro


Boa tarde Antes Que Ordinárias!

 Hoje é o meu dia de compartilhar idéias com vocês povo,de acordo com o novo calendário do blog! Como está sendo um recomeço,eu estava com sérias dúvidas sobre o quê eu iria compartilhar com vocês,e finalmente decidi que vou explanar um pouco sobre o livro Sangue Quente,que tem dado muito o que falar graças à sua adaptação cinematográfica que ainda nem estreiou!

 Posso lhes dizer que como tantas outras pessoas  estive cética até o presente momento acerca da qualidade tanto do livro quando da película,porque confessemos né,lembra muito Crepúsculo, com um enredo focado no amor entre um ser não-humano com uma humana...

Aliás o asco é unânime somente porque o livro é uma obra é um romance,inclusive eu,mas aí eu estava pensando cá com os meus botões...

O autor, Isaac Marion
 Carai...ninguém vive sem sentimentos,pode dar uma de durão,de bem resolvido segundo os padrões da sociedade,mas de nada serve  ter tudo isso se não tiver amor né,galera?  Exatamente como a mais famosa e poética passagem bíblica, a de Coríntios,que inspirou artistas como Luís de Camões e Renato Russo com seus versículos : "Ainda que eu falasse a língua dos anjos..." Eu viajo nestas palavras! Pensemos bem, o mundo em que este casal coexiste,apocaliptico,coincidentemente um EUA baqueado assim como deve estar o restante do mundo após sucessivas guerras,civilização em colapso,enfim tudo foi para o buraco. A situação que eles vivenciam mais uma vez não está muito longe do que pode acontecer conosco caso o mundo continue trilhando o atual caminho. Então devemos entender perfeitamente quem serão as hordas de zumbis famintos e ademais mortos vivos não?

R, o herói zumbi é uma criatura atormentada afinal de contas apesar de estar morto tem vagas recordações de seu passado e uma delas é a inicial de seu nome e na qualidade de zumbi vive de alimentar-se da vida dos outros e daí adquirir traços de outrém . Analisemos: Nesta sociedade coisificadora em que temos que ser o que adquirimos e jamais devemos ser aquilo que nos é inerente, a fome do zumbi vem bem a calhar,o que é essa fome senão o comportamento de se esquecer o que se é em detrimento de se apossar daquilo que não é nosso,principalmente o alheio,porque hoje, o importante são as metas,é mostrar a sua superioridade (decrepitude?) frente os semelhantes? Instintos primitivos de quem morrou alegoricamente e precisa manter-se absorvendo a vitalidade e a razão de outros?

É rir para não chorar,mas está é a verdadeira evolução humana!

O jovem rapaz zumbi tem sonhos mas não sabe como colocá-los em prática no mundo torpe onde vive,tão sombrio e macabro,com quem ele poderia compartilhar suas convicções? Seus iguais são apáticos,vide a conversa que ele tem com seu melhor "amigo" todo santo dia, os humanos,ele tem por obrigação devorá-los e estes mesmos,obviamente ou morreriam de medo dele ou tentariam matá-lo. E ainda existe um terceiro grupo feroz de zumbis,deteriorados até os ossos,que me lembram muito os NPCs do tradicional jogo Diablo. Com esses aí é que não tem conversa mesmo! Até o dia em que ele se apaixona por uma guria e tudo muda,obviamente por se tratar de uma obra baseada em zumbis então é claro que esse encontro vai ser turbinado à base de cérebro e vísceras...do falecido namorado da moça,mas isso realmente não importa, o que importa é que o coração do protagonista antes turbado pela perversão do meio ambiente que vive volta a vivificar como se fosse uma pequena chama,devido o amor doado pelo seu "alimento" e a partir daí quanto mais ele protege e convive com esta jovem mais menos "zumbi" ele fica. Tirando essa imagem hedionda de cérebro e visceras,este é o alimento certo, o amor,a vontade de praticar o bem,de voltar a ter a alma limpa das perversidades contidianas.

Tô igual?
 Observando deste ponto de vista não é tão piegas assim,porque todo e qualquer relacionamento se fortalece graças à convivência...É a famosa rotina que assusta as pessoas a ponto de espantá-las como o capiroto foge da cruz...Deve ser por isso que hoje os relacionamentos são tão furtuitos,crê-se piamente que todos devem ser experts e máquinas de fazer sexo que só isso basta para que a relação perdure, a paixão é o gatilho e a desilusão é a consequência! Amor,demora a se estabelecer mas depois que finca raízes não morre jamais! E os outros zumbis ao observarem o seu ato sentem-se tocados e a partir daí,mudanças começam a acontecer.

Considerações finais: Eu vi o vídeo promocional do filme, e até ali minha opnião escarnecedora se modificou,passei a achar que o zumbi apesar de estilizadinho ( Aff,imagina se fosse um zumbi de walking dead,um no estilo do zumbi do poço,argh,até parece que a guria ia dar uma bitoca!O.o) ele poderia muito bem não ser um zumbi completo,poderia ter o organismo resistente como o de Will Smith em Eu sou a Lenda,por exemplo,não achei de todo o mal não,até achei melhor que Crepúsculo. Os produtores acertaram em transformar em comédia pois sabe como expectadores podem ser bem críticos com relação à filmes... Então resolvi baixar e  ler o livro e gostei bastante dele, o clima obviamente, é mais opressivo mas não é nada risível,é bem consistente e mudou o meu pensamento,como vocês podem ver pelo que acabei de escrever. São pessoas com o coração pervertido que precisam de uma luz,um help,alguém que dê um primeiro passo para a mudança - para melhor. " Chegará o dia em que as pedras clamarão" - É uma boa analogia para o contexto do livro,pedras neste caso,seriam as pessoas de coração duro,pervertido,devido às inconsistências da vida,do mundo,da sociedade. E somente como o amor,não somente entre  homem e mulher,mas extendido a todo o semelhante é que resolveremos o problema. Agora... é esperar para ver qual a conclusão de vocês após a leitura!

     Caso se interessem aqui está o livro: Sangue Quente - Isaac Marion




3 comentários:

  1. Horas bolas... captou bem a mensagem do livro ou talvez não, eu sou mente aberta pra tudo e se não gosto, fico na minha, ninguém vai gostar de tudo o que eu gosto e vice e versa, agora eu adorei sua colocação Ana, foi muito inteligente, vou baixar pra ler, por que não, se não gostar ao menos eu li e se gostar que se dane os que não gostarem... hehehehehehe.
    Agora se prepare para ser chicoteada e jogada na fogueira, quando a inquisição de CULTS chegarem aqui, vão massacrar vc nos comentários, boa sorte amiga.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Se você estivesse vendendo este livro, eu compraria!
    Adorei a resenha e ainda não li.
    Confesso, que essa temática : Mundo corroendo e você sob o avatar de um Zumbi corroendo a si e aos outros..Me encanta(pelo menos nesse momento) a lá Dexter.
    Outro dia fiquei pensando nisso...
    Dexter said:" ...matar me acalma" . Logo, quando ele 'perde' a esposa fica em um período deprê e nem consegue matar o Vigilante Ambiental.
    Enfim, o Dexter mata aqueles que não acrescentam mais nada para sociedade(seriais, pedófilos, homicidas...) e esse jeitinho:fazendo o mundo um lugar melhor...Acaba auxiliando seu estado depressivo...Ou não? rs.
    Mais ou menos o conteúdo do seu livro?
    Sociedade coisificadora X Ser para somente ser?

    beijooooooooooooooooos

    ResponderExcluir
  3. Eu que adoro a temática zumbi... Ainda não conferi o livro (vergonha)!

    Adorei a sua resenha e fiquei super intrigada pela obra... Talvez, até mais apta para percebe-la sob outra luz!

    ;D

    ResponderExcluir