25 de set de 2012

Mulheres de Celulóide # 4 - Claymore

Os olhos prata,tornam-se dourados se 10 % de energia youki forem consumidos


Gente, hoje eu trouxe para vocês o mangá Claymore, escrito e desenhado pelo mangaká Norihiro Yagi. A obra desse cara merece menção honrosa aqui no Antes Que Ordinárias porque ele conseguiu engendrar literalmente um extraordinário mundo de mulheres dispostas a matar ou morrer. Mulheres de Celulóide com M maiúsculo!


Claire: Exterminando um Youma na vila em que vivia Raki


O público alvo desta obra no Japão é preferencialmente, o público masculino e adulto,mas nada impede que fãs de outros segmentos tornem-se fãs do estilo do desenhista,que modéstia à parte é de alto nível e está bem acima da média dos mangás habituais,que por si só primam pela qualidade do traçado.

Claire: Ferimento de Guerra


Quem observa o traçado de Yagi constantemente tem a sensação de estar observando fotografias,tamanho o detalhismo dos cenários e dos personagens,aliás algo a se observar é que estes tem as formas mais "orgânicas", em detrimento de outras obras em que personagens sempre são cheios de "pontas" na fisionomia,nos cabelos,no corpo. A suavidade das personagens,mulheres extremamente bonitas, contrasta com a brutalidade das lutas,com direito a muito sangue,tripas e membros esquartejados voando para todos os lados. Há algum conteúdo um pouco mais adulto,mas nada que seja Ecchi ou Hentai ( Erótico ou pornográfico ).


Míria Fantasma: Até eu fiquei tensa com a língua fálica desse bicho

Toda a ação se desenrola em um mundo de aparência medieval,mas que de alguma forma possui tecnologia. As aldeias que nele existem são constantemente atacadas por demônios monstruosos desejosos de satisfazer a sua necessidade de ingerir carne humana. Eles são bestiais,matam pessoas de cidades inteiras sem o mínimo de remorsos e com requintes de crueldade.


Um desperto atacando Claire. 


São capazes de absorver as lembranças e tomar a aparência de quem devoram,por isso disfarçam-se para estar entre os humanos e geralmente usam os sobreviventes como seus escravos. Estes são os Youmas. Somente pessoas capacitadas podem dar cabo de tais criaturas,para isso existem mulheres guerreiras que de posse de espadas enormes e força sobre-humana,conseguem dar cabo dos monstros,mediante o pagamento posterior ao serviço.


Teresa e Claire: Unidas


 Se a aldeia recusar-se a pagar,fica desassistida e logo outros youmas a destruirão,é de se imaginar que os preços sejam exorbitantes.Caso a guerreira não consiga matar o demônio e morrer,o pagamento então,não precisará ser feito. Por terem cabelos claros e olhos prateados,são conhecidas como bruxas dos olhos prateados e inspiram terror e repulsa nas pessoas comuns,pois são seres híbridos,resultados da manipulação da carne e do sangue de youmas em seus corpos. Este processo costuma ser terrível e dolorido.


Claire: Semi-desperta e enfurecida,luta com Rigardo,Coração de Leão


 Por causa do treinamento e de seus traumas individuais,elas costumam ser frias e distantes,evitando qualquer tipo de socialização com humanos,exceto entre elas mesmas. Estas são as Claymores do título. Claymore é o nome que os aldeãos dão à essas mulheres,uma vez que nem elas,nem a organização secreta que as cria tem um nome específico para denominá-las. Outra coisa interessante,é que Claymore realmente existe: São espadas antigas espadas escocesas.


Claire: Primeira guerreira a se oferecer a passar pelo procedimento por livre e espontânea vontade. As outras são raptadas ou compradas como despojos de guerra,como escravas,não tem como optar.

O Mundo em que elas vivem é subdividido em 47 regiões,portanto,existe uma Claymore oficial para cada um desses lugares,sendo essa a escala classificatória de força entre elas,a mais alta é a  # 1 e a mais baixa a  # 47.  Claire, a protagonista é uma Claymore,que chega a uma aldeia para executar seu trabalho de matar youmas,o que faz com extrema habilidade e frieza. Durante a sua estadia no local,um garoto esteve prestes a ser devorado por um monstro que se escondia sob a pele do irmão mais velho do menino.


Raki e Claire: É o amor...


Claire o salva da morte e este é espancado e abandonado no deserto pelos moradores por medo dessa proximidade que ele teve com o monstro ( sem ele saber,tadinho! ). Claire mais uma vez o salva e ele acaba tornando-se seu companheiro de viagem e nasce um amor ingênuo entre eles,apesar das diferenças entre eles,já que uma claymore não sendo morta por ninguém,pode viver indefinidamente por centenas de anos sem envelhecer,por causa de sua hibridez.Eles são obrigados a se separar dramaticamente quando topam com a bela e feminina,porém sádica Ophélia ( me dá aflição, a Ophélia!).


A doce (?!) Ophelia ataca novamente!


O menino chama-se Raki, e com o seu jeitinho gentil,preocupando-se inclusive com a alimentação de sua amada - Claymores só precisam de uma mordida de comida para sobreviver e passam dias e dias sem pôr nada na boca,isso que é dieta!- Foi retirando toda aquela austeridade e distanciamento de Claire porque de certa forma,resgatou uma parte de seu passado que havia sido obliterado por sua sede de vingança.


Alguns símbolos de guerreiras que aparecem na obra

Claire também vira sua família morrer devorada,foi escrava dos demônios e sofreu todo o tipo de maus tratos e humilhações nas mãos das pessoas. Salva por Teresa, levou um certo tempo para ser aceita pela guerreira antissocial,mas por fim conseguiu conquistá-la com seu jeitinho,despertando em sua amiga,um inesperado e renovador sentimento maternal pela menina.


 Norihiro Yagi,autor de Claymore


Tanto que violou regras cabais da seita que a criou,como por exemplo,não matar humanos,não criar laços com eles,não desertar. Por amor à Claire,deixou-se ser estuprada,matou quem estava judiando da menina,desertou para viver como uma humana comum com a sua filha presenteada sabe-se lá por qual força oculta dos deuses,pois seus nomes são idênticos às deusas de sua mitologia,as gêmeas Claire e Teresa,deusas do Amor. Pessoas que recebem esses nomes por serem desejadas e muito amadas por seus pais. Mas a guerreira não viveu muito tempo para vivenciar a sua decisão.


Claire e Teresa: Começo tenso


Cada guerreira tem um símbolo único que a identifica,além de seus nomes e alcunhas conforme são as suas habilidades. As mais fortes claymores são as que possuem dígito único. Teresa,era a guerreira mais forte que já existiu em seu tempo,era a número um e era conhecida por Teresa do Sorriso Abatido,pois matava sem pestanejar com um sorriso gentil no rosto.


As Deusas Gêmeas,Claire e Teresa


 Quando as coisas não estavam mais dando certo para o lado de nossa amiga,um grupo de guerreiras de dígito único foi destacada para matar Teresa. No meio deste processo,uma jovem aspirante que subira muito rápido de nível,entrou em parafuso e utilizou o limite máximo de energia,tornando-se um monstro muito mais forne e carniceiro que os youmas normais.


Teresa: Deixando-se estuprar para salvaguardar a vida de Claire


 A criatura matou Teresa,que exitou por um instante a acabar com a vida da menina semi desperta,pois pensou em Claire,foi o seu erro. Nesse dia,só Claire sobreviveu. E a morte de sua querida amiga a fez desejar vingança. Aliás, a maioria das guerreiras que se submetem ao excruciante processo de se tornarem claymores tem uma história similar à da protagonista.


Claire e Teresa: Mãe e filha


 A diferença é que,enquanto estas tiveram sangue e carne de youmas implantados em seus corpos,ela teve o sangue e a carne de Teresa inseridos em seu corpo. Devido a isso deram-lhe o posto mais baixo, o de # 47, o que é motivo de escárnio perante as outras guerreiras. Mas quem acompanhar o mangá,vai saber que há algo de diferente em Claire e que este número pode não chegar a fazer jus à sua pessoa...



Capa da edição japonesa


Um dos grandes mistérios da trama é porquê mulheres são utilizadas para guerrear e não os homens  e com o decorrer da trama vamos descobrindo os detalhes sombrios da organização anônima que as controla.Eu recomendo a leitura imediata desses quadrinhos!



Ophelia tomando um susto com a própria imagem refletida na água


Além de primar pela estética,outro fator importante é o enredo,em que as batalhas das personagens não é somente exterior,mas interior também contra seus monstros interiores,segue uma linhagem dramática,impossível não se comover ou não se revoltar.


Seria a Ophelia uma portadora do capiroto Pazuzu?


 Foi feita uma excelente animação dos quadrinhos de Yagi, o que dá um tempero especial por causa das cores e da trilha sonora. Uma pena terem animado só os 26 primeiros capítulos. Há três anos atrás,assinei uma petição online em japonês pedindo a animação de mais capítulos para uma segunda temporada. O númerode aderências superou a expectativa,mas até hoje não se tem notícias do andamento do projeto! E para fechar a matéria com chave de ouro,uma frase que combina bem com o clima de Claymore:

“Os homens são ensinados a se desculparem por suas fraquezas. As mulheres,por sua força.”
                                                                                                                - Louis Whyre

A seguir o bônus da matéria,espero que gostem!


Para facilitar a nossa vida e deixar o nosso HD levinho,recomendo a leitura dos quadrinhos online. Um ótimo lugar é esse:  Central de Mangás


Episódio 01 do anime baseado nos quadrinhos para deixar um gostinho de quero mais!


 

5 comentários:

  1. Amo Claymore e é um dos animes/mangás que sempre recomendo quando me perguntam qual os melhores que já assisti.
    Cada personagem pode ter um drama parecido, mas dá gosto de apreciar cada um deles. É envolvente e ensina uma grande lição de companheirismo, lealdade e amor.
    O papel de mulheres independentes e lutarem, não somente em nome da organização mas de suas vidas, é cativante e angustiante, principalmente no despertar de cada um.
    Adorei a leitura. Já sigo o seu blog e não me arrependo. ^^

    ResponderExcluir
  2. Que bacana! De fato os desenhos são muito bem feitos, de um realismo impressionante, em especial nas cenas mais violentas. As protagonistas são lindas. Com certeza Yagi tem muita imaginação para criar todo esse universo!

    ResponderExcluir
  3. Amei o post, curto muito mangás embora seja mais viciada em shoujo... No entanto histórias com mulheres guerreiras batendo muito sempre me encantam!!!

    ResponderExcluir
  4. desde que assisti caymore em 2010,foi paixão a primeira vista.fico me perguntando sempre por que na tv brasileira não se exibe esse anime,ele é fantastico.ancioso prara a próxima temporada!!bjs amo seu blog

    ResponderExcluir