9 de jul de 2012

Javier Bardem em Biutiful !

Minha primeira vez com Javier Bardem foi Vicky, Cristina e Barcelona (com maravilhosas Penélope Cruz e Scarlett Johanson) depois Onde os Fracos não tem vez, Comer -Rezar -Amar e Biutiful.

Cada vez que assisto BIUTIFUL tenho um novo olhar sobre essa película.
Um drama familiar que envolve, emociona e faz pensar.
Um filme que narra o amor de um pai por seus filhos? Crise existencial? Um emaranhado entre crise social , política e financeira na Espanha?
Ou essa minha fixação por Javier Bardem...me deixa cega, surda e louca? rs.
Na realidade o filme é muito mais que isso. 


Sinopse
Uma mão diminuta mexe em um anel que ocupa todo o dedo mínimo da mão de um homem. A voz de uma menina pergunta para aquele homem se o anel é de verdade, e ele responde que sim, que a joia foi um presente do pai para a mãe dele. Ela pergunta porque ele está com o anel, e ele responde que é porque o avô da menina deu a joia para a mãe dele antes de sair da Espanha. Depois disso, a mãe dele, que estava grávida, nunca mais teria visto o marido. A menina então pede para colocar o anel no dedo, e ele deixa, antes dela comentar que a mãe sempre usava o objeto no dedo anelar e que afirmava que a joia era de mentira. Corta. Em um bosque cheio de neve, uma coruja aparece estirada sobre o cenário branco. A voz de Uxbal (Javier Bardem) segue contando para a filha, Ana (Hanaa Bouchaib), que a mãe da garota nunca ouviu aquele som, o de mar. Depois destas cenas, passamos a acompanhar a vida de Uxbal e a sua luta para criar Ana e Mateo (Guillermo Estrella), os filhos que ele teve com a instável Marambra (Maricel Álvarez). Faz parte do cotidiano de Uxbal, além da educação e da busca do sustento dos filhos, negociações com imigrantes ilegais e policiais. Ele é importante em sua comunidade de classe operária de Barcelona, onde a história se passa. Uxbal resolve os problemas das pessoas e tenta solucionar os seus(ref familiar ao seu pai, irmão e esposa) o perdão está aí para redimir a todos nós, mas nem por isso é de se bater palma para o que assistimos no filme. A busca pelo caminho do bem é cotidiana, e sempre que nos afastamos dele, nos aproximamos mais das sombras que tanto pertubavam Uxbal. Nada escapa da lógica da vida e da morte. E ainda assim, sempre há reencontros e a possibilidade da redenção. Por isso, mesmo com toda a imperfeição retratada pelo filme – e a convicção errada plasmada na palavra Biutiful -, existe sim beleza e esperança.  

Alejandro González Iñarritu, que realizou filmes como "Babel", exigiu que Javier passasse mais de cinco meses na pele de Uxbal.


Gostaria de dissecar um pouco mais o filme.Alguém pode me perguntar: “Mas e aí, na Espanha as coisas são do jeito que Biutiful mostra? Geralmente, em alguns filmes, reportagens, entre outros vemos o lado "BEAUTIFUL", do exterior e até do nosso país. O que acho bacana nesses filmes é o lado B dos suburbios mostrado 'levemente' de um jeito marcante. Muitos insistem em "meter o pau" no exterior e acabam esquecendo do preconceito 'mascarado' que também temos em nosso país. Se na Espanha descem o 'sarrafo' nos imigrantes 'ilegais'(ref. emprego) o que é feito no Brasil? Aqui o 'sarrafo' no que refere-se a oportunidades profissionais é acompanhado de um belissimo sorriso amarelo, beijo na frente, vômito por trás e um faraônico: NÃO! Somos o sexto colocado no quesito preconceito/falta de oportunidades. Governo e bôa parte dos empresários brasileiros não me venham com o velho slogan: temos muitas oportunidade em aberto/ o que falta é profissional adequado/ salários variam entre mínimo e 2 mil...blá blá blá(conversa prá boi dormir é pouco..) Anyway, isso é assunto para outro post. Voltando ao filme: Chineses e africanos são explorados sem dó nem piedade? Os policiais são corruptos? Existe uma máfia que se beneficia dos 'imigrantes ilegais'? Sim, há redes de exploração de imigrantes. Eles ocupam sempre os espaços marginais em cidades como Madrid. Estão lá, vendendo DVDs com filmes pirata, ocupam ruas e lojas em que comercializam os mais diferentes produtos “alternativos”. Os espanhóis vão lá, compram estes produtos, mas deixam claro que aquelas pessoas são “invasores”. Mais ou menos como no Brasil(Centro de São Paulo, Av Paulista/Arredores, Extremo Zona Sul, Leste etc) Temos exemplo do Kassab "limpando" nossas ruas das barracas 'ilegais' e até legalizadas. Já em Buenos Aires "barracas de rua" são fundamentais para os argentinos. Seria questão cultural? Social? ou uma leve 'pincelada' de apoio político/financeiro para crescimento da própria classe D/C (PIB)?
.

Atualmente, o clima entre“nativos” e os imigrantes ilegais não deve ser diferente. Com um nível de desemprego maior e pouca oportunidade de trabalho, imagino que o clima piorou.
.

Dizem que nas ruas de Madrid, à noite, as pessoas costumam recorrer aos “chinos” (como são chamados os chineses) para comer após saírem de festa. Nesta hora, os “chinos” são bacanas né?
.
Assim como os africanos que vendem guarda-chuvas nas ruas quando o clima está castigando os desprevenidos. Mas no restante do tempo, para os espanhóis e acredito que franceses, e outras nacionalidades se veem “invadidas” pelos ilegais , essas pessoas são indesejáveis.
.

Lamentável o conflito cotidiano entre as pessoas que se sentem donas de uma terra e de uma realidade e aquelas que tiveram que deixar os seus países, suas famílias e raízes para buscar uma melhor oportunidade de vida.Mais um filme meio “existencialista”, meio sociológico, que aborda temas importantes sobre a realidade conflitante de grandes cidades/países.
.

Na verdade, o que Biutiful mostra sobre imigrantes ilegais, corrupção policial e explorações desta realidade ocorre em outras partes da Europa, incluindo Madrid, Paris e etc etc etc. Ah! Muitas vezes em 'nosso' Brasil alguns estrangeiros são tratados como convidados de honra já o próprio povo é marginalizado e tratado como lixo- Nosso slogan deveria ser: "Um país de 'todos'(no quesito impostos) na realidade no 'desfrute' um país para poucos!"
.
Em BIUTIFUL é interessante também a “homenagem” que o diretor faz aos antepassados e a esta linha amorosa que une distintas gerações de uma família.Resumindo:
É o retrato de um homem que tenta fazer a coisa certa quando o mundo em torno dele parece todo errado.

 2013 Javier Bardem volta em The Counselor de Ridley Scott.

9 comentários:

  1. Não vi esse filme mas depois desse post vou providenciar, ótima dica além do que acho o Javier um excelente ator.

    ResponderExcluir
  2. Patricia Galis
    adorei seu comentário!
    Assista e vai amar!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Baita Filme!
    Gosto muito do trabalho tanto Alejandro quanto do Bardem, ver os dois juntos é sempre algo que rende... Apesar de não set o meu preferido do Alejandro (que é amores perros), gostei muito dos pontos tratados.. Realmente é um filme que revisto causa novas sensações...

    Demais seu post!


    ;D

    ResponderExcluir
  4. Tenho que lhe confessar Patricia, ainda não tive tanta coragem de assistir "Biutiful", principalmente porquê sei que ele será mais um daqueles que me deixará destroçado por dias, geralmente eu mergulho mais que deveria nos filmes e um mergulho neste ainda me causa um certo receio. Imagino o quanto o Javier deva estar bem na pele deste personagem, ele é um dos meus atores favoritos da atualidade, lhe recomendo também "Antes do Anoitecer" com ele, esta é na minha opinião uma de suas melhores atuações...

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com/2011/01/antes-do-anoitecer-night-falls-2000.html

    ResponderExcluir
  5. J.Bruno,
    Também sofro do mesmo 'problema' vou fundo em certos filmes.
    Geralmente, meu aprofundamento não consegue me 'destroçar' 100% fico muito pensativa e reflexiva.
    Biutiful e Bicho de 7 Cabeças são os filmes que conseguem me encantar do ponto de vista realidade nua/quase verdadeira e crua.

    Vou ver o filme que indicou.

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Karla,
    Bom dia moça!!!
    Obrigada, por ler.
    Sou fã do Alejandro!!!
    E Biutiful é ó'concour em todos aspectos - sempre bom ver de novo!!!
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Belo texto!
    "Biutiful" é um trabalho cuidadoso do Iñarritu, mas não gostei tanto como 21 Gramas, Babel e Amores Brutos, ainda mais da primeira vez. Aqui ele cria imagens belíssimas e Bardem cada vez mais seguro como ator, evitando o esteriótipo de galã hollywoodiano.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Javier Barden... *suspiros*... este é meu homem perfeito! ahahahahahah... mas, brincadeiras à parte, eu ainda não assisti Biautiful, mas pretendo em breve ver. Já li várias resenhas sobre ele.

    Gosto demais de Iñarritu...

    Sobre filmes com o JAvier, eu iria indicar Antes do anoitecer, mas vi que meu xodó José Bruno já o fez.

    bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  9. Queridos amigos blogueiros,
    Agradeço e muito os comentários.

    Rodrigo,
    Gosto bastante de 21 gramas...Porém, por razões pessoais BIUTIFUL me cativou 100%!
    :D

    Joicy,
    Sou muito fã do Javier(sua foto estampa meu celular,rs)

    beijos

    ResponderExcluir