1 de set de 2012

Perfis de Mulher: Judy Garland


Uma das mais belas e celebradas vozes do último século foi também uma das mais trágicas cantoras. Com uma vida cheia de altos e baixos que incluíram relacionamentos fracassados, vícios, problemas de peso e exigências demais para uma garota que começou ainda muito jovem, Judy Garland colecionou fãs, sucesso, prêmios, mas também desgostos e fracassos.
Nascida Frances Ethel Gumm em 1922, na cidade de Grand Rapids, Minnesota, era a mais nova de três irmãs. Mais uma boca para alimentar era motivo de preocupação, mas em poucos anos essa mesma boca tornou-se fonte de renda, pois nunca se tinha ouvido uma voz infantil tão afinada. Frances juntou-se ao número de vaudeville da família e com as irmãs formou o trio The Gumm Sisters. Foi também com elas que a garota de 7 anos estreou no cinema, em pequenos curtas. Em 1935, apareceu num número em Technicolor, “La fiesta de Santa Bárbara”.
O principal veículo para sua carreira a partir de então foi a série de filmes Andy Hardy, feitos com seu amigo Mickey Rooney. Nesta época ela já havia mudado de nome, tendo escolhido o título de uma canção popular, Judy, e aceitado a proposta de usar o sobrenome Garland, que em inglês significa grinalda. Embora Mickey fosse um cantor mediano, ele e Judy entoavam melodias em boa parte de seus filmes e em shows pelo país.
Seria em 1938 que ela ganharia o papel de sua vida e pelo qual ela é mais lembrada: Dorothy em “O Mágico de Oz”. Foi dosi anos depois de ela ter perdido o pai, deixando sua carreira sob os cuidados de sua autoritária mãe. Com um visual infantilizado para seus 16 anos e uma boa dose de talento, Judy deu voz e vida a essa adorável personagem.
A partir daí duas cláusulas passaram a constar no contrato de Judy com a MGM, alegando que ela não poderia perder a voz nem engordar. Ela recebia remédios moderadores de apetite dos médicos de estúdio e, com o passar do tempo, mais e mais remédios mostraram-se necessários, fosse para dormir, acordar, ter energia ou acalmar-se. Tudo isso misturado ao cigarro e à bebida. Os atrasos e colapsos frequentes nos sets de filmagem a tiraram de algumas produções ao longo da década de 1940, culminando no desligamento dela o estúdio em 1948, seguido por uma tentativa de suicídio. 
Judy casou-se cinco vezes. Na primeira, ela tinha 19 anos e o pianista David Rose, 32. Ela foi contra a vontade de sua mãe e do estúdio, mas foi a influência de ambos que ajudaram a acabar com o casamento, ao obrigarem a moça a fazer um aborto. O matrimônio seguinte seria com o diretor de “Agora seremos felizes” (1944), Vincente Minnelli, com quem teve a filha Liza. Seu terceiro marido a ajudou a se reerguer após ter sido despedida da MGM. Sidney Luft, pai de seus filhos Lorna e Joey, foi o produtor de vários concertos, como no Carnegie Hall, e também do filme“Nasce uma Estrela” (1953), o retorno triunfal de Judy às telas.
Lutando com problemas de peso a vida toda, sempre atormentada por problemas familiares e vícios incontroláveis, Judy morreu de overdose em 22 de junho de 1969, aos 47 anos. Naquela noite, quando um grupo de homossexuais estava num bar comentando sobre a morte da estrela, houve um massacre policial que deu origem à primeira passeata pelos direitos dos homossexuais do mundo, alçando Judy ao patamar de ícone da comunidade gay. E, curiosamente, no dia de seu falecimento um tornado assolou o Kansas. Dorothy, moradora deste estado, foi justamente levada por um tornado para a Terra de Oz.          

"Seja uma primeira versão de você mesma, não uma segunda versão de outra pessoa"
Judy Garland (1922-1969) 

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Admiro muito Judy Garland e é muito triste que este grande talento tenha sofrido tanto em sua curta vida. Mas nós fãs mantemos sua memória viva.

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante do seu texto. Não conheço muito da atriz, vi seu desempenho apenas no filme "Julgamento em Nuremberg", de 1961, o qual é bastante interessante. Preciso conhecer mais da atriz, ela é um referencial não apenas cinematográfico, mas também social, deve valer a pena conhecer.

    Passe no meu blog pra conhecê-lo: http://eooscarfoipara.blogspot.com.br/
    Como fala sobre o Oscar e Garlanda já venceu um prêmio juvenil bem como foi nominada duas vezes, eventualmente falaremos sobre ela lá.

    ResponderExcluir
  4. A voz madura já em uma garotinha! Grande estrela e uma maravilhosa voz que marcou sem dúvida a carreira de Judy! Uma pena que ela também viveu momentos conturbados e acabou em um final trágico. Aparentava mais velha enquanto jovem...

    De qualquer forma, amo-a!

    Adorei o post Karla
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Eterna Diva e mamãe de Liza!
    Belissimo texto!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Eu não sabia da história sobre o grupo de homossexuais no bar e sequer sabia que ela era um ícone para a comunidade gay. Uma pena que ela não tenha suportado a pressão feita pela indústria, ela era dona de um enorme talento e de uma beleza estonteante, que teriam sido bem melhor usados se não fossem estas imposições idiotas que ela sofreu... Ótimo post Lê! Beijos

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/09/habemus-papam.html

    ResponderExcluir