17 de jun de 2012

Rio+20 - Parte I: O que é, e Quais Objetivos da Conferência

O texto de hoje tem haver com meio ambiente e sustentabilidade, tema que esta em foco essa semana com a realização da Rio +20.

Começo explicando um pouco o que é a  Rio+20, uma conferência organizada pelas Nações Unidas que trata sobre  desenvolvimento Sustentável, e que esta sendo realizada desde o dia 13  de junho até o próximo 22 no  Rio de Janeiro, esse primeiro texto tem como finalidade de informa o que é a Rio+20 e alguns pontos como seus objetivos e primeiros problemas detectados nessa conferência.


fim de tarde do primeiro dia da Rio+20

A Rio+20 recebeu este nome porque, 2012, marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e a atual conferencia visa contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas no mundo.

Um dos principais objetivos é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

 Tem ainda como objetivo, a propósito disponibilizar um canal onde formuladores de políticas públicas e outros stakeholders interessados possam debater e analisar questões relevantes aos objetivos e temas da Conferência, incluindo uma economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza, bem como o quadro institucional para o desenvolvimento sustentável.

A Conferência tem dois temas  como principais:
  •     A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza;
  •     A estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável.

Indios se abracam durante cupula dos povos
A Rio+20 é composta por três momentos. 

Os primeiros dias, de 13 a 15 de junho, ocorreu a III Reunião do Comitê Preparatório, no qual se reunirão representantes governamentais para negociações dos documentos a serem adotados na Conferência. 

Em seguida, entre 16  e 19 de junho, são programados os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável. 

De 20 a 22 de junho, ocorrerá o Segmento de Alto Nível da Conferência, para o qual é esperada a presença de diversos Chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas.

A conferência tem seguido seu percurso normal, fora a parte algumas manifestações e reclamações, como a da diretora executiva da Abong (Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais), Vera Masagão, considera que o documento discutido na Rio+20 é frágil e equivocado, pois baseia-se em um conceito que maquia as forças dominantes do capitalismo e transforma a natureza e os bens comuns em mais uma mercadoria, bens de consumo.

Diz: “A sociedade civil organizada está cobrando que os Estados liderem uma transição mais radical para um novo modelo de desenvolvimento que não seja baseado no modelo consumismo-produtivismo, que já tem indícios de que é insustentável.”

Para ela, é o momento de o Brasil entrar com mais força nas negociações.

 “Numa situação em que os países do Norte estão em crise, eles vão ter muita resistência a se comprometer com qualquer coisa que envolva mudança na lógica de crescimento econômico a qualquer custo.

Agora é a hora do governo brasileiro assumir uma liderança mais forte como país-sede, liderar de forma mais enérgica o clamor dos países do Sul como bloco.”

O navio do Greenpeace Rainbow Warrior chegando a Rio+20
Segundo Masagão, está havendo uma falta de liderança na Rio+20, ao contrário do que ocorreu há 20 anos atrás, na Rio92.

“Existe muito pouca liderança e os prognósticos indicam que essa conferência será um fracasso.

Uma das grandes diferenças da Rio92 é que lá houve lideranças que puxaram e criaram o momento, como o [secretário-geral] Maurice Strong.

Nós esperávamos que o Brasil pudesse fazer esse papel, mas não é isso que tem acontecido.”


A Rio +20 tem gerado muito assunto dentro da internet, e entre os mais estudados e possuidores do conhecimento, como acadêmicos e professores,  mas em outras mídias e áreas seu destaque se resume ao minimo, boa parte da nação brasileira, não sabe o que a Conferência , e olhe lá se sabem que ela esta acontecendo nesse exato momento no Rio.

até o próximo texto sobre a Rio+20 o/



fontes de imagens: http://noticias.uol.com.br
Fonte de consulta para texto: http://www.rio20.gov.br

2 comentários:

  1. Pois é, a mídia também não facilita para a população de uma forma geral... Que vai ver a notícia sem entender do que se trata ;P

    Concordo em partes com a afirmação da Diretora da Abong, o Brasil poderia ter uma cara mais de líder, já que os países há muito consumistas possuem em si certos vícios... A verdade é que importância da busca por meios mais sustentáveis para se viver em sociedade.

    Conhece esta música do Gotye? http://letras.terra.com.br/gotye/1922384/
    Acho ela super ambientalista!

    ;D

    ResponderExcluir
  2. Ai ai ai, é muita coisa, viu.
    Se a mídia investisse em educação para a população como investe em putaria, eventos como estes teriam sucesso duplo.
    Do que adianta um evento desses se as pessoas ainda nem sabem o que significa reciclagem seletiva?
    Não to falando que não deveria acontecer, de forma alguma. Eu queria muito estar lá participando. Me refiro a questão de transmissão de informação às pessoas.

    ótimo post.
    Vi seu link la no Blogosfera em Rede.

    Beijão
    Cléo - Acesse o blog Vejo Por Aí... Onde o útil, o fútil e o inútil se encontram.

    ResponderExcluir