30 de jun de 2012

Perfis de Mulher: Mata Hari

Uma das mais famosas mulheres a se envolver na guerra, depois de Joana D’Arc, é a exótica Mata Hari. Conhecida por seu trabalho como agente dupla durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e executada por essa prática, a moça acabou se tornando uma lenda maior que a própria vida. De traços exóticos e comportamento sedutor, ela viveu muitas outras aventuras além das que foram contadas exaustivamente por filmes e livros.




Nascida Margaretha Geertruida Zelle em 1876 na Holanda, era a mais velha numa família com três outros filhos homens. Teve um começo de vida tranquilo, mas a falência de seu pai em 1889 trouxe caos à família. Seus pais se divorciaram e em 1891 sua mãe faleceu, obrigando-a a ir morar com o padrinho. Estava estudando para ser professora, mas o assédio de um tutor a fez sair do curso e desistir desse objetivo.

Quando tinha 18 anos, leu no jornal um anúncio de um homem rico que procurava uma esposa e decidiu se candidatar. Logo se casou com o anunciante, embora fosse 20 anos mais nova que ele. O casal se mudou para a atual Indonésia e foi aí que os problemas começaram. Seu marido era alcoólatra e descontava todos os problemas na esposa, que para fugir da situação opressora, começou a estudar a cultura indonésia. Apesar das brigas e da traição do marido (ele tinha uma concubina, o que era aceitável naquela sociedade), eles tiveram dois filhos. As crianças sofriam com a sífilis, que acabou por ser a causa mortis de ambos, do menino aos 2 anos e da menina aos 21.


A partir de 1903, Margaretha passou a se apresentar em Paris. Já estava separada do marido havia um ano e há cinco havia escolhido o nome Mata Hari, que significa “olho do dia” em indonésio, como seu nome artístico. Seus conhecimentos da cultura oriental a auxiliaram no desenvolvimento de um número de dança exótico e sensual, com um toque de strip-tease. Criou-se todo um mito acerca de sua origem em meio à realeza hindu, e uma série de fotos seminua ajudou a aumentar sua fama, embora essas mesmas fotografias fossem mais tarde usadas por seu ex-marido como chantagem para que ele ficasse com a guarda da filha.

Mata Hari também se tornou cortesã, relacionando-se sempre com homens influentes. Era vista como uma mulher boêmia e livre, até que chegou a década de 1910. Sua dança passou a ser criticada, consideravam-na sem valor artístico. Era ainda popular, mas vista pelos especialistas na dança como uma mera exibicionista. Os nervos também estavam exaltados por uma guerra que eclodiu em 1914. A Holanda, seu país natal, permaneceu neutra, e Mata Hari podia circular livremente por entre os países envolvidos.


A partir daí suas ações são um mistério. A versão oficial é que trabalhava como agente dupla, espionando para a França e a Alemanha. As informações que levou teriam sido responsáveis pela morte de 50 mil franceses. Algumas fontes afirmam que ela teria sido usada como bode expiatório. Ela própria sempre se alegou inocente. Os arquivos de seu julgamento só serão abertos em 15/10/2017, exatamente um século após sua execução.  

O mito construído em torno de Mata Hari persiste, em parte, graças ao filme homônimo de 1931, estrelando Greta Garbo e Ramon Novarro. Como era mais importante contar uma história cativante do que seguir os fatos verdadeiros, foi criada uma trama de sedução com a bela Garbo, que em nada se parecia com Mata. Outros filmes focaram a vida da holandesa ou pelo menos de espiãs baseadas nela, como “Ziska”(1922),  “Agente H21” (1964), com Jeanne Moreau, e muitos outros.

Envolta em mitos e incertezas, a história de Mata Hari permanece com detalhes obscuros e verdades por descobrir. Mas, se a lenda for realmente mais interessante que a verdade, apenas o mito será propagado.

"A dança é um poema; cada movimento é uma palavra”
Mata Hari

2 comentários:

  1. Mulher maravilhosa!!!

    Bjos
    Amanda Fernandes
    www.redapplepinups.com

    ResponderExcluir
  2. Mata Hari conseguiu fazer algo extraordinário para a época, especialmente seu status... no fim, acho que foi injustiçada... serviu de bode expiatório.
    E linda, neh?!

    Adorei o post e por lembrar dela... Já havia pesquisado, mas, não há muitos fatos concretos sobre a vida dela... Se bem que é este mistério todo que encanta.

    ;D

    ResponderExcluir