15 de jul de 2013

Secret Window












"Seria enterrada no jardim que ela própria cuidava...". Shoot her!
Janela Secreta, é um filme baseado no livro homônimo escrito por Stephen King em 2004. Dirigido por David Koepp e produzido por Gavin Polone. A trilha sonora é assinada por Philip Glass.
Não é de hoje, que sou fã de Stephen Edwin King, meu escritor preferido, reconhecido como um dos mais notáveis quando o assunto são contos de horror fantástico e ficção.Os seus livros venderam mais de 350 milhões de cópias. Seus livros foram publicados em mais de 40 países e muitas das suas obras foram adaptadas para o cinema. É o nono autor mais traduzido no mundo .
Embora seu talento se destaque na literatura de terror/horror, escreveu algumas obras de qualidade reconhecida fora desse gênero e cuja popularidade aumentou ao serem levadas ao cinema, como nos filmes Carrie a Estranha, O ILUMINADO, Conta Comigo, Um Sonho de Liberdade (contos retirados do livro As Quatro Estações),Christine, Eclipse Total, Lembranças de um Verão e À Espera de um Milagre, entre outros.O seu livro, The Dead Zone, originou a série da FOX com o mesmo nome. O próprio King já escreveu roteiros de episódios para séries, como Arquivo X, em que ele escreveu o roteiro do episódio "Feitiço", da quinta temporada.
Em Janela Secreta, temos a marcante atuação do perfeccionista Depp e grande destaque para a trilha sonora de Philip Glass, sua música é normalmente chamada de minimalista, embora ele não aprecie esta expressão.Glass compôs trilhas sonoras para diversos filmes, começando por Koyaanisqatsi (1982), dirigido por Godfrey Reggio que está entre as trilhas sonoras mais influentes. Podemos citar também como trabalhos na área de trilha sonora para filmes Mishima (1985), Kundun (1997) sobre o Dalai Lama, a trilha sonora dos demais documentários da trilogia Qatsi em Powaqqatsi (1988) e Naqoyqatsi (2002), além de O Show de Truman: O Show da Vida (1998) que usou partes das trilhas de Mishima e Powaqqatsi e As Horas (2002) o qual recebeu uma indicação para o Óscar. Recentemente produziu a trilha para os filmes O Ilusionista (2006) e Notas Sobre um Escândalo (2006), este último lhe rendendo uma indicação ao Óscar de melhor trilha sonora.
Ele ainda possui um estúdio freqüentado por artistas famosos como David Bowie, Lou Reed e Bjork, chamado Looking Glass. É ou não um nome de peso para composição de TSO? rs.





Voltando ao filme, temos o 'esquizofrênico' Mort Rainey (Johnny Depp) um escritor bem sucedido de livros comerciais que está em crise, enfrentando um conflito pessoal após o fim de seu casamento e da separação com sua esposa adúltera, Amy (Maria Bello) após tê-la flagrado com Ted (Timothy Hutton). Mort então decide se isolar em uma cabana à beira do lago Tashmore, em busca de tranquilidade. Não conseguindo escrever nada novo, sofrendo um embaraço criativo por causa da sua separação traumática com Amy, aproveitando o tempo para descansar. Para complicação da circunstância, a aparente tranquilidade da cabana desaparece quando um místico homem, John Shoother (John Turturro), vindo de Mississipi, aparece inesperadamente e começa a atormentá-lo dizendo que Rainey se favoreceu do plágio de um de seus melhores contos que tinha escrito diversos anos antes de 1997, e que exclusivamente o final foi modificado. Diante disso, o curioso homem agora está exigindo uma reparação pública e indenização ou uma prova concreta do contrário num breve período de apenas três dias, pressionando de forma invasiva o escritor e demonstrando também possuir sinais de ser um sujeito mentalmente alterado e ameaçador.


O filme, é um ótimo suspense, sem muitos sustos ou grandes produções. Temos o protagonista em seu momento de isolamento como peça chave, os pensamentos de solidão/auto destruição, a 'possível' esquizofrenia de Tom, um cenário bucólico, uma trilha espetacular e Depp.

No filme, Mort se esconde atrás da suposta acusação de plágio, para cometer suas 'atrocidades', ele fica confuso, e acha 'impossível' ter plagiado um conto. Tudo começa a ficar mais sombrio[o que é delicioso para os fãs de suspense) quando Mort encontra seu cachorro morto e ao lado um manuscrito original com a autoria de Shooter, cuja história é surpreendente identica ao do seu livro.
As manifestações deste possível e severo transtorno do funcionamento cerebral, começam a mostrar sua cara.
O que é esquizofrenia? Como saber se tenho? A esquizofrenia pode desenvolver-se gradualmente, tão lentamente que nem o paciente nem as pessoas próximas percebem que algo vai errado: só quando comportamentos abertamente desviantes se manifestam. O período entre a normalidade e a doença deflagrada pode levar meses.
Por outro lado há pacientes que desenvolvem esquizofrenia rapidamente, em questão de poucas semanas ou mesmo de dias. A pessoa muda seu comportamento e entra no mundo esquizofrênico, o que geralmente alarma e assusta muito os parentes.
Não há uma regra fixa quanto ao modo de início: tanto pode começar repentinamente e eclodir numa crise exuberante, como começar lentamente sem apresentar mudanças extraordinárias, e somente depois de anos surgir uma crise característica.





Geralmente a esquizofrenia começa durante a adolescência ou quando adulto jovem. Os sintomas aparecem gradualmente ao longo de meses e a família e os amigos que mantêm contato freqüente podem não notar nada. É mais comum que uma pessoa com contato espaçado por meses perceba melhor a esquizofrenia desenvolvendo-se. Geralmente os primeiros sintomas são a dificuldade de concentração, prejudicando o rendimento nos estudos; estados de tensão de origem desconhecida mesmo pela própria pessoa e insônia e desinteresse pelas atividades sociais com conseqüente isolamento. A partir de certo momento, mesmo antes da esquizofrenia ter deflagrado, as pessoas próximas se dão conta de que algo errado está acontecendo. Nos dias de hoje os pais pensarão que se trata de drogas, os amigos podem achar que são dúvidas quanto à sexualidade, outros julgarão ser dúvidas existenciais próprias da idade. Psicoterapia contra a vontade do próprio será indicada e muitas vezes realizada sem nenhum melhora para o paciente. A permanência da dificuldade de concentração levará à interrupção dos estudos e perda do trabalho. Aqueles que não sabem o que está acontecendo, começam a cobrar e até hostilizar o paciente que por sua vez não entende o que está se passando, sofrendo pela doença incipiente e pelas injustiças impostas pela família. É comum nessas fases o desleixo com a aparência(semelhante ao que acontece na aparência de Mort no filme-roupãp o dia todo, cabelo desgrenhado...) ou mudanças no visual em relação ao modo de ser, como a realização de tatuagens, piercing, cortes de cabelo, indumentárias estranhas e descuido com a higiene pessoal. Desde o surgimento dos hippies e dos punks essas formas estranhas de se apresentar, deixaram de ser tão estranhas, passando mesmo a se confundirem com elas. O que contribui ainda mais para o falso julgamento de que o filho é apenas um "rebelde" ou um "desviante social".
Muitas vezes não há uma fronteira clara entre a fase inicial com comportamento anormal e a esquizofrenia propriamente dita. A família pode considerar o comportamento como tendo passado dos limites, mas os mecanismos de defesa dos pais os impede muitas vezes de verem que o que está acontecendo; não é culpa ou escolha do filho, é uma doença mental, fato muito mais grave.
A fase inicial pode durar meses enquanto a família espera por uma recuperação do comportamento. Enquanto o tempo passa os sintomas se aprofundam, o paciente apresenta uma conversa estranha, irreal, passa a ter experiências diferentes e não usuais o que leva as pessoas próximas a julgarem ainda mais que o paciente está fazendo uso de drogas ilícitas. É possível que o paciente já esteja tendo sintomas psicóticos durante algum tempo antes de ser levado a um médico.
Quando um fato grave acontece não há mais meios de se negar que algo muito errado está acontecendo, seja por uma atitude fisicamente agressiva, seja por tentativa de suicídio, seja por manifestar seus sintomas claramente ao afirmar que é Jesus Cristo ou que está recebendo mensagens do além e falando com os mortos. Nesse ponto a psicose está clara, o diagnóstico de psicose é inevitável. Infelizmente o tratamento precoce não previne a esquizofrenia, que é uma doença inexorável. As medicações controlam parcialmente os sintomas: não normalizam o paciente. Quando isso acontece é por remissão espontânea da doença e por nenhum outro motivo.




O filme, consegue seguir uma sequência alucinante e nos mostra aos poucos como é sofrível a vida de Mort. Seus momentos perturbadores, arrepiantes e violentos tomam forma, seus pensamentos, sua solidão, suas conversas consigo mesmo, essa reviravolta é impressionante. O final é brilhante e ao mesmo tempo triste para Mort, que finalmente conseguirá seu isolamento social 100% completo.
O clímax, que Stephen King, consegue criar em cada obra é algo de tirar o fôlego, ele consegue em cada livro e adaptação para o cinema, um novo olhar, um ângulo singular que consegue deixar o fã com aquele gosto peculiar pelo medo.Em Secret Window, além de abordar sutilmente o sofrimento da esquizofrenia, ele conseguiu mais uma vez, fazer com que tenhamos uma grande reflexão: afinal, qual será nossa janela secreta? Todos temos, ou não?
Em nossa vida real esquizofrenia não é bacana e precisa de acompanhamento, tratamento, muito amor, paciência, companheirismo e zero preconceito.













Nenhum comentário:

Postar um comentário