11 de mar de 2013

Poeta do amor e também da amizade...

Olá, queridos visitantes do Antes que ordinárias!

Então agora vamos ao breve post de hoje, na verdade, trazendo uma postagem que fiz em meu blog pessoal, Umas e outras. Neste final de semana assisti pela enésima vez o filme "O carteiro e o poeta". Então, resolvi compartilhar e indicar para os que ainda não viram e/ou para os que já assistiram e desejam se deliciar novamente com esse belo filme.


O carteiro e o poeta conta a história do simplório Mário(Massimo Troisi), que vive em uma ilha, na itália. Ele é filho de pescador(ofício exercido pela maioria dos homens de seu vilarejo) que por desejar fugir de seu "carma" de se tornar também pescador, acaba por trabalhar no correio, onde exerce a função de entregar cartas, exclusivamente, ao exilado(por razões políticas) poeta Pablo Neruda(Philippe Noiret). 
Dessas visitas nasce uma bela amizade e Mário acaba recorrendo ao poeta para que o ajude a conquistar a bela Beatrice.  


Esse filme é uma poesia em forma de película. Simplesmente lindo... cada vez que assisto me encanto mais e mais pela simplicidade de Mário e a sensibilidade de Neruda. Por meio das palavras os dois se tornam imensamente ligados.


Um dos diálogos que mais gosto é quando Mário diz à Pablo que A poesia não é de quem a escreve. Mas de quem precisa dela.

Um filme que vai além do título de Poeta do Amor, que Neruda carrega. 

 Enfim, o poeta do amor, num filme que fala não só de amor, mas, principalmente de amizade!



Se você não assistiu, então fica a dica. 




Beijinhos...


Câmbio, desligo!

3 comentários:

  1. Massimo viveu apenas para completar esse filme! É uim dos filmes que eu amo,amo,amo!

    ResponderExcluir
  2. Joicy,

    Belíssimo post sobre uma película magicamente essencial de se ver.

    Adorei, o jeitinho que você colocou texto e fotos.

    beijos.

    ResponderExcluir
  3. Eu também sou apaixonado pelo filme e pela forma sensível com que a história é contada, acho o Massimo Troisi um excelente ator, ele consegue expressar no olhar, nos gestos contidos e embaraçados toda a simplicidade do personagem... Acho tocante que dá para perceber em diversas cenas as restrições que ele se impunha por conta dos problemas de saúde que o matariam antes mesmo do filme ficar pronto...

    ResponderExcluir